WhatsApp chat

Correção de Deformidades e Dismetrias

Correção de Deformidades e Dismetrias

Definição:
Dismetria no comprimento ou discrepância é uma condição em que o comprimento de uma perna é diferente da outra (mais curto ou mais longo) por causa de um ou ambos serem alterados funcionalmente (músculo / postura) ou estruturalmente (osso / cartilagem).

 

Possíveis causas:

  • Neuromuscular – Desequilíbrio muscular causando tração diferente na pelve gerada pelo encurtamento especialmente do piriforme (que leva a uma rotação externa do fêmur encurtando assim da perna) e isquiotibiais Exemplo: Doenças como Polio e Paralisia cerebral.
  • Deformidades Ósseas – Genu recurvatum, Valgo, Varo, Arcos Costais e Vértebras Assimétricas, Escoliose.
  • Trauma e pós-operatório – Fratura dos ossos da perna ou lesão da placa epifisária, pós-operatório de algumas próteses como quadril e joelho.
  • Idiopática/Genética – Transtorno dos quadris, tais como: Legg-Perthes-Calve, ou Epifisiólise Femoral.
  • Alterações degenerativas avançadas – Artrose ou doenças que levam ao desgaste articular.

Sintomas:

  • O paciente pode apresentar uma alteração da marcha (tais como claudicação/mancar);
  • Pode ocorrer desvio postural da coluna para compensar e dor lombar;
  • Dor na perna mais curta devido ao aumento do impacto;
  • Dores nas articulações devido a sobrecarga como dor no joelho, síndrome do trato íleo tibial, pronação do pé compensatória e fascite plantar;
  • Diferença de força nos membros inferiores;
  • Pode também ocorrer aumento ou degeneração do disco vertebral.

Os sintomas variam entre os pacientes, dependendo do esforço físico e sobrecarga que o mesmo faz nas pernas.

Diagnóstico e Tratamento:
No exame físico, o médico avalia se a Dismetria é funcional medindo pontos ósseos fixos e fazendo o diagnóstico diferencial com a discrepância estrutural através de exames por imagem.
O Tratamento de desigualdade no comprimento das pernas envolve muitas abordagens diferentes, que variam entre ser funcional ou estrutural ou até mesmo a combinação de ambas.

Fisioterapia:

    • Liberação miofascial (massagem);
    • Alongamento dos músculos encurtados;
    • Manipulação ou mobilização da coluna vertebral, sacro-ilíaca , quadril, joelho e pé.

Órteses: 
Sapatos com elevação podem ser usados para tratar discrepâncias de dois a seis cm (geralmente até 1 cm podem ser inseridos no sapato palmilhas. Para maiores desigualdades no comprimento da perna, o sapato deve ser construído sob medida e personalizado.

Cirurgia:
O médico poderá fazer a ressecção óssea ou epifisiodese em casos de alterações do crescimento ou usar uma das técnicas para alongamento ósseo.